Fausto Caniceiro da Costa

Figueira da Foz-05.03.1914; Figueira da Foz: 26.09.2006
Fundador dos Festivais de Magia da Figueira da Foz, que se realizavam anualmente naquela cidade, considerado o Pai dos Festivais de Magia em Portugal.
Fausto Caniceiro da Costa , um rosto da Figueira da Foz, foi funcionário público de profissão.
Figura inquieta e de rara sensibilidade, foi dirigente associativo, homem de teatro, humorista, poeta popular, ilusionista, declamador, mimo e, até, músico.
Colaborou durante décadas em jornais e publicou mais de uma dezena de livros.
Com o desaparecimento físico de Fausto Caniceiro da Costa a Figueira ficou mais pobre: perdeu um cidadão estimado e um bairrista convicto, para nós Mágicos um muito Obrigado Fauto Caniceiro da Costa.
Para mim Miguel Ângelo Director do Museu da Magia, todo projecto faz sentido pelo trabalho que ate á data foi feito também pelo Sr. Fausto Caniceiro da Costa.

VER TUDOVER MENOS

Francisca Marques vidal

A sua vida e a magia estão ligadas desde sempre. Foi pela mão do seu pai – o mágico Marques Vidal – que desde muito cedo participou em Congressos e Festivais mágicos. De início limitava-se a correr pelos corredores dos teatros e a assistir atenta e fascinada aos espectáculos. Sempre que podia assistia sorrateiramente aos ensaios dos mesmos onde a sua presença não estava autorizada. (Nem todos os filhos de mágicos gostam de magia e poucos são os que seguem os passos dos pais.) Com o passar dos anos o amor pela magia tornou-se mais sério. Ainda teenager começou a trabalhar na organização de congressos mágicos. Aos 19 anos era assessora da presidência do Campeonato Mundial de Magia da FISM 2000 Lisboa (Federação Internacional das Sociedades Mágicas). E, mais tarde, tornou-se secretária da direcção da Associação Portuguesa de Ilusionismo – cargo que ocupou durante 4 anos. Enquanto isso, acabou a licenciatura em Ciências da Comunicação na UNL.
Os palcos chegaram mais tarde: primeiro apresentando espectáculos (2001), depois magicamente com a criação em 2002 do Grupo de Teatro Mágico da Associação Portuguesa de Ilusionismo do qual foi co-coordenadora com a ilusionista Margot e que manteve actividade até 2008 (1º Prémio de magia de palco do MagicValongo 2004 rotina “Backstage” e 3º Prémio de magia de palco do MagicValongo 2005 rotina de Luz Negra).
Posteriormente, com duas colegas – Flávia Molina e Margot - criaram um grupo mágico independente e unicamente feminino. Projecto que estreou em 2009 com a rotina “Let´s go girls”, tendo a estreia a concurso no MagicValongo 2009 resultado no 1º prémio de magia de palco.
Desde então foram vários os trabalhos desenvolvidos pelo trio de mágicas portuguesas que culminou no final de 2011 com a estreia de um espectáculo de 90 minutos intitulado – Partenaires - no mundo mágico das mulheres – composto por actuações individuais e de conjunto das suas intérpretes.
Individualmente, Francisca Marques Vidal foi mantendo a sua actividade mágica sem grandes pretensões comerciais e nunca numa perspectiva profissional. Dando prioridade a actuações em congressos de Ilusionismo.

VER TUDOVER MENOS

Francisco Mousinho

Biografia em Construção

VER TUDOVER MENOS

Fred Allen

Fred Allen, uma referência das jovens gerações do nosso Ilusionismo, ouvido com respeito e elogiado além fronteiras. As suas actuações fluíam, não com truques de manipulação, mas com arte e a magia da manipulação onde, sobretudo, as cartas “cresciam” e “diminuíam”, os bastões surgiam e o jornal recompunha-se. Tudo apresentado num estilo que definia a personagem mágica numa paixão visual e estética, como afirmava Fred Allen, numa entrevista dada à revista O Mágico em 2001.
Fred Allen brota do Ivo Helder Welch Martins de Sousa, nascido em Valongo a 23 de Novembro de 1955, filho único (pais já falecidos), educado num meio familiar mais ou menos conservador. Em 1968, tem encontro com a página “Arte Mágica” assinada por Eduardo Relvas, publicada semanalmente na revista Plateia (extinta em 1986), também designada Revista Semanal de Espectáculos. Do entusiasmo da “Arte Mágica” parte para o incontornável livro “Magia Teatral” de Martins Oliveira (a primeira edição data de 1940) e em 1969 começa a frequentar a também desaparecida Academia Portuguesa de Ilusionismo, onde, além da facilidade de consulta e aquisição de literatura especializada, era possível adquirir aparelhos de magia e truques.
É neste ambiente mágico que se vai desenvolvendo Fred Allen. Entretanto, em meados de 1971 o Jornal de Notícias, através da rubrica “Isto é Magia”, dá a conhecer Fred Allen. No ano seguinte é convidado para o programa “Isto é Espectáculo”, apresentado ao domingo no então distinto palco do Cine-Teatro Vale Formoso, no Porto, um edifício inaugurado em 1949, com capacidade para acolher 900 espectadores. Ali Fred Allen manteve-se em palco durante seis meses.
No caderno das desilusões, Fred Allen registava vários desabafos que vieram a público e que não poderia deixar de aqui referir por traduzir a sua forma de encarar a Arte Mágica: “Tive actuações que são para esquecer. A manipulação é um estado de espírito, temos poucas defesas, somos só nós e como nunca fiz profissão confesso que às vezes fui bastante ‘amador’ na preparação do espectáculo.”
Fred Allen, referência incontornável, generoso por vício, fosse na partilha do seu (muito) saber, quando requisitado para colaborar na construção de eventos ou desenvolver acções, sobretudo na área da formação de jovens Ilusionistas. A lealdade, para o Ivo ou Fred Allen, não se limitava a um adjectivo. Com Ivo/Fred Allen, iniciámos e concretizámos muitos projectos mágicos. Recordo, a título de exemplo, dois Festivais Internacionais da Figueira da Foz, as Jornadas Mágicas de Lisboa, os MagicPorto, vários Festivais CIF/S. João Bosco e, naturalmente, o mais destacado Festival Internacional de Ilusionismo em actividade, o MagicValongo. Fomos companheiros no Clube Ilusionista Fenianos, não deixando de ali colaborar como dirigente ou ministrando cursos de Manipulação e Workshops.
Fred Allen foi ídolo e herói destas jovens gerações de Ilusionistas, às quais nunca negou dispensar o seu tempo e saber. O seu vasto conhecimento técnico aliado à permanente disponibilidade em “passar”, com simplicidade, informação sábia, foram garante na influência e formação de dezenas de jovens Ilusionistas, alguns hoje com títulos e prémios internacionais conquistados.
Fred Allen, o Ilusionista da imagem romântica, consubstanciava na apresentação, conduta, atitude, porte e arte de bem fazer Ilusionismo.
( Biografia retirada do Jornal Tribuna de Macau, escrita por Cardinal, em 18 de Abril de 2017

VER TUDOVER MENOS

Frederico da Costa Brito

Biografia em Construção

VER TUDOVER MENOS

Philipe Magic

Philipe Magic Nome Artístico desde 1995
Desde muito cedo que sonha em ser mágico, mas sem ninguém que o pudesse ajudar era
quase impossível. Mas ao assistir a programas na tv relacionados com magia (Um Toque de Magia
que era apresentado pelo mágico Rovit (Vitor Alves) em 1989 ficando dede logo fasciado pela Arte Mágica
Depois de Rovit veio mais tarde acrescentar mais paixão e este mundo da ilusão o Luis de Matos e os especiais de David
Cooperfield, tudo o fascinava.
Numa livraria do Estoril descobriu 1 livros de Magia " TRUQUES DE ILUSIONISMO"
de Araújo editado pela Europa-América, era mesmo aquilo que
procurava, começou a desfolhar e ver que tudo havia uma maneira de fazer, em casa viu
que não era fácil de aprender mas sozinho e ao poucos foi aperfeiçoando a sua apresentação.
Com o lançamento da coleção da editora Habitat havia um livro que era (O Livro dos Truques de
Magia) mas tarde editaram (O Livro dos Truques de Cartas) foram este os seus primeiros mestres e
professores de magia.
Aprendeu por livros sem acesso nem conhecimento de outros mágicos.
Criou o seu primeiro show baseado nos ensinamentos desses livros, respeitando as regras
do magico, com adereços de casa como lenços de assoar, notas, envelopes, cartas de
jogar, etc. Até que um amigo de família lhe disse que tinha um colega que era mágico e
membro da API, e foi apresentado mágico Rui Morgado, ao qual lhe direcionou para sócio da Associação Portuguesa de Ilusionismo.
Desde ai nunca mais parou, Começando a adquirir mais conhecimento e selecionando matérias de topo para as suas apresentações.
Frequentou o curso da IMS.

Biografia de Espectáculos:

Participou em vários festivais internacionais e Programas de TV:
Estoril Magico – 1995 (o meu 1º festival em que se infiltrou e fez se passar por convidado por
morar em Estoril onde o meu pai trabalhava, sendo descoberto pelo P. da Associação.
Festival de Magia de Valongo
Festival de Magia da Amadora
Encontro Magico de Coimbra
Encontros Mágicos de Sintra
Convenções da API

Participação em programas de TV
1998 – Bataton (TVI)
2000 – Fátima Lopes (SIC)
2014 – Querida Júlia (SIC)
2018 – A Tarde é Sua (SIC)
Em 1997 entrou no Châpito através do mágico português Uocir (irmão da Teté)

Concorrente do Got Talent Portugal 2018.

VER TUDOVER MENOS